O Brasil está entre os países menos bem situados no mundo no ensino de ciências em nível médio. É raro que nossos estudantes tenham acesso a laboratórios onde possam manipular objetos reais de seu estudo e perceber como se aplicam os conhecimentos adquiridos. As crianças em idade pré-escolar demonstram uma curiosidade insaciável sobre tudo que as rodeia, querendo entender o porque das coisas. Essa é também a principal motivação dos cientistas. Por que um ímã atrai alfinetes? Por que as lentes aumentam o tamanho aparente dos objetos? Por que os filhos se parecem com os pais? As crianças aprendem manipulando e brincando com os objetos.

 

O projeto dos kits nasceu da convicção de um grupo de cientistas de que poderíamos dar uma contribuição relevante ao ensino médio de ciências estimulando a curiosidade inata e recuperando o prazer de descobrir o porque das coisas, usando recursos individuais para experimentação, gerando pequenos laboratórios caseiros.

 

Não pretendemos converter todos os jovens em cientistas. Uma boa educação em ciências é essencial para formar os futuros engenheiros de que o Brasil tanto necessita, capazes de criar e inovar, para formar profissionais de saúde que saibam e entendam como utilizar técnicas avançadas. É também crucial para treinar pessoas capacitadas para trabalhar em indústrias de vanguarda, lidando com os constantes avanços tecnológicos. Não menos importante, contribui para formar cidadãos conscientes desses avanços e capazes de tomar decisões esclarecidas a respeito deles.

 

Cada kit vem acompanhado de um folheto que descreve os resultados nele contidos e conta um pouco da história dos cientistas que os descobriram. Inclui ainda um manual de instruções sobre como realizar os experimentos propostos e diversas perguntas sobre os resultados. Respostas a essas perguntas estarão disponíveis num portal próprio.

 

Escolhemos o nome “Aventuras na Ciência" procurando transmitir a ideia de que a ciência constitui uma das maiores aventuras do espírito humano. Penetrou no âmago da matéria, muito além do átomo e do seu núcleo, ao mesmo tempo em que remontava à origem do universo. Começa agora a abordar o problema de entender a natureza da vida.

 

Poucos exprimiram tão bem como nosso grande poeta Carlos Drummond de Andrade a sensação do mistério da Natureza:

“a máquina do mundo se entreabriu...

Abriu-se majestosa e circunspecta...

o que pensado foi e logo atingedistância superior ao pensamento,...

e o absurdo original e seus enigmas,suas verdades altas mais que todosmonumentos erguidos à verdade;...

tudo se apresentou nesse relance."

 

Em suas notas autobiográficas, Albert Einstein relata como decidiu tornar-se um cientista:

“Lá fora se encontrava esse vasto mundo, que existe independentemente de nós, seres humanos, defrontando-nos como um grande e eterno enigma, pelo menos parcialmente acessível a nosso exame e ao pensamento.

 

A investigação desse mundo trazia o apelo de uma libertação ...

O caminho para este paraíso ...

não desmereceu da minha confiança, e jamais me arrependi de tê-lo escolhido."

Dele ainda:

“Uma coisa aprendi no decurso de uma longa vida: que toda a nossa ciência, em confronto com a realidade, é primitiva e pueril – mas é o que possuímos de mais precioso."

 

A equipe que coordena este projeto transmite-lhe votos de boas vindas e sucesso em sua iniciação na grande aventura da ciência.

Equipe que produziu o programa Aventuras na Ciências: Moysés Nussenzveig (Coordenador Geral), Vanderlei S. Bagnato, Mayana Zatz, Eliana B. Dessen, Henrique E. Toma, Beatriz Barbuy e Eduardo Colli. 

Qualificação da Equipe:

 

Beatriz Barbuy, autor do kit de Astronomia. Professora Titular do IAG-USP, Prêmio L‟Oréal/UNESCO para Mulheres na Ciência, Vice-Presidente da União Astronômica Internacional em 2003-2009, tendo participado da preparação das atividades de divulgação no Ano Internacional da Astronomia em 2009.

 

Eduardo Colli, autor kit de Matemática, Professor Doutor, Universidade de São Paulo, Instituto de Matemática e Estatística, Departamento de Matemática Aplicada, possui Bacharelado em Física pela Universidade de São Paulo (1991), Mestrado em Matemática pelo IMPA (1993) e Doutorado em Matemática pelo IMPA (1996). Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Sistemas Dinâmicos, particularmente em dinâmica unidimensional e em baixas dimensões. Atualmente é professor doutor no Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo. Dedica-se a atividades ligadas à divulgação da Matemática, destacando-se a coordenação da Matemática, do IME/USP e a participação no programa Aventuras na Ciência, voltado à produção de kits de introdução às ciências.

 

Eliana Maria Beluzzo Dessen, autor kit Biologia, possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (1970), mestrado em Ciências Biológicas (Biologia Genética) pela Universidade de São Paulo (1973) e doutorado em Ciências Biológicas (Biologia Genética) pela Universidade de São Paulo (1978) e pós doutorado em Biologia Molecular no Zentrum Für Molekulare Biologie Heidelberg, Alemanha. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Citogenética, e em Biologia Molecular. Atuou principalmente nos seguintes temas: amplificação de dna, fisiologia de cromossomos politênicos

e caracterização genética de populações de Anopheles cruzii. Após a aposentaria na Universidade de São Paulo, em 1997, passou a coordenar as atividades de educação e difusão do Centro de Estudos do Genoma Humano, Departamento de Genética e Biologia Evolutiva IB-USP, e a desenvolver projetos com os objetivos de explorar e desenvolver o potencial criativo de professores de ensino médio, de fornecer material de apoio instrucional e intelectual para a realização de aulas práticas e outras metodologias capazes de eleger o aluno como agente da aprendizagem, de incrementar o acervo de material instrucional da escola com relação ao conteúdo de Biologia Celular e Genética Molecular e de despertar no aluno o interesse pela atividade de pesquisa. Editora da Genética na Escola, uma publicação da Sociedade Brasileira de Genética

 

H. Moysés Nussenzveig (UFRJ), autor do kit de Física. Professor Emérito, foi professor/pesquisador das Universidades de Rochester e da USP, da PUC-Rio, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, do Institute for Advanced Study de Princeton, da Universidade de Paris, do NASA Goddard Space Flight Center, do Collège de France e da École Normale Supérieure. É Prêmio Max Born e Fellow da Optical Society of America, Fellow da American Physical Society, Homenageado com a Cátedra Moysés Nussenzveig de Mecânica Estatística na Universidade de Tel Aviv, Prêmio Nacional de Ciência e Tecnologia e Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico.

 

 

Henrique E. Toma (USP), autor do  Kit de química Professor Titular de Química do IQ-USP, Coordenador do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Nanotecnologia e Nanociências da USP, Pesquisador 1A do CNPq e Guggenheim Fellow. Membro da Academia Brasileira de Ciências, TWAS e IUPAC, Comenda Grã-Cruz da ONMC, Prêmios Heinrich-Reinboldt, Fritz-Feigl, TWAS, Inovação-SBQ e PETROBRÁS, Autor de diversos livros didáticos e de divulgação científica.

 

 

Mayana Zatz (USP), autora do kit de Biologia. Professora Titular de Genética do IB-USP, Coordenadora do Centro de Pesquisas do Genoma Humano e células-tronco (CEPID-FAPESP) e do Instituto Nacional de células-tronco em doenças genéticas (INCT) , Pesquisadora 1A do CNPq, Membro da Academia Brasileira de Ciências,  da  Academia de Ciências dos Paises em Desenvolvimento (TWAS),  Grã-Cruz do Governo Federal e Estadual.    Recebeu  dezenas de prêmios como L‟Oréal/Unesco para mulheres na Ciência, Prêmio Twas, Prêmio México de Ciência e Tecnologia.

É autora de mais de 250 trabalhos científicos ( citados ~ 7000 vezes, índice h=40), de mais de 300 artigos para leigos e do livro Gen ÉTICA: Escolhas que nossos avós não faziam.

 

 

Vanderlei S. Bagnato (USP) - autor do kit de Física. Professor Titular de Física do IFSC-USP, coordenador do INCT em óptica e Fotônica, professor em diversos cursos de física à Distância, uso da TV dentre outros. Editor de diversas revistas internacionais, inclusive a Revista Brasileira de Ensino de Fisica. Ganhador do Premio José Reis do CNPq. Eleito para The Academy of Sciences for the Developing World, 20/10/2009; membro da Academia Pontifícia de Ciências do Vaticano, em 05/11/2012; e membro da National Academy of Sciences (USA), em 30/04/2013. Coordena um Centro Estadual de Física e um Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia.

 

 

Idealização